01:28

Peguei o metrô na Central dia desses. Desci três estações depois e só agora parei pra me perguntar se você já havia andado de metrô. Desde que você se foi, sou parte do que você deixou e isso pra mim não é ruim - apesar da dramaticidade necessária ao dizer. Afinal, desde que tudo aquilo aconteceu, a morte me tomou de assalto e não há um minuto sequer que eu não tenha pensamentos existenciais.


Se não tivesse sobrado, portanto, um pouco de você em mim, eu, intensa e impulsiva como sou, não veria muita necessidade em continuar procurando um emprego que vai me explorar durante doze horas seguidas por um salário que mal dá pra pagar as contas.

E enquanto envelheço, rejuvenesço. Todas aquelas conversas que eu tinha, antes, na mesa do bar, agora me doem a nuca como se o mundo delicadamente se assentasse sobre mim. E depois doem as costas, o estômago, o útero. Rejuvenesço, então, na direção da meninice, da molecagem. Permito que minhas preocupações centrais sejam simples de resolver, permito sentir como uma menina cujo primeiro amor não é correspondido, porque lá dentro sei que tudo isso já foi solucionado.

Tento não pensar na finitude, na galáxia, no tempo. Mas, como Cássia e tantos outros, sou poeta e não aprendi a amar. O que me sobra é escrever. Agora, procuro me dividir entre a velhice a juventude, ainda que, sabemos, a qualquer hora a escolha será feita, sozinha. Independente do meu querer.

Voltando da Tijuca, peguei um trem. Penso, agora, se você teve a oportunidade em vida de ver passarem as estações, os ambulantes, as pernas apressadas - enlatadas no meio da cidade. Olho o celular e meus problemas adolescentes me chamam. Há certo equilíbrio ainda, graças a você.

00:48

acenda as luzes e verá
nesta escuridão, sangraremos todos
não há saída, não há esperança
só alguns livros tentando explicar
e outros tentando entender
porões fabricam drogas lícitas
que necessitam de receita médica
os becos abrigam as mortes efêmeras
e as emissoras anunciam dia após dia
o prelúdio do nosso fim
não existe profecia
não existe presságio
é só reflexo, é só efeito
é só o desfecho imprescindível
da nossa própria e longeva queda


Isabella Mariano

Blog com conteúdo autoral da escritora Isabella Mariano.

Conheça meus livros!

Saiba mais clicando aqui.