prosa

03:54

Perdi minha inspiração. Em algum canto cheio, desbotado. Acho que foi em um cabelo embaraçado. Lembro de papeis, tons, sons, coisas aleatórias, sala de estar, eu e, se não me engano, você também. É provável que esteja debaixo de qualquer amor mal acabado. Esperando que eu o encontre. Fugindo, astuta, para o meu desespero. E imaginando as explicações que dou para seu sumiço. Alego sua farsa, exalto a técnica e o esforço. Não preciso amar para falar de amor. Que mentira é essa? Chorar pra falar de choro, sorrir para explicar o sorriso. Besteira. Misturo as palavras em uma ordem que me soe saudável e pronto. Sou poeta.

poema

Todo ouvido

03:50

Clareia, toma conta
Não quero ouvir, mas
Diz aqui, ao pé do ouvido
Toda essa sua lábia
Despeja em mim
Seu horror, seu sabor
Eis-me aqui.

Mezzo jornalista, mezzo poeta. Minha vida é um (des)equilíbrio entre Beyoncé, Big Brother Brasil, Damien Rice, Maria Rita, feminismo, Leminski, Alan Moore e George Orwell. Isabella Mariano, 25 anos, Vitória, Espírito Santo.